terça-feira, 4 de julho de 2017

DICAS DE UM "CM" - O roteiro para fazer o melhor... ROTEIRO!

Caros viajantes!

Hoje abordo mais um assunto prático que é útil a todo viajante, dando "toques" baseados no aprendizado que tenho tido com cada viagem que eu planejo e faço: como montar, você mesmo, o melhor roteiro para a sua viagem! =)

Decidi escrever sobre isso porque eu geralmente faço viagens longas, com vários destinos em cada uma, e de vez em quando as pessoas que me conhecem perguntam coisas como: "como você se programa?", "o que você usa no planejamento?", "como você sabe exatamente onde ir, o que fazer, quanto tempo ficar...?", etc.

É claro que há situações em que você não precisa esquentar muito a cabeça, como por exemplo se viaja para ficar uma semana inteira numa mesma cidade. Nesses casos, é até legal o "elemento surpresa", que acontece quando a gente deixa pra descobrir as coisas na hora, sem muita pesquisa prévia.
Porém, para quem, como eu, não tem tanto tempo pra gastar, gosta de exploração e tem o "vírus" do Wanderlust (desejo incontrolável de conhecer o mundo), é muito importante fazer um roteiro bem detalhado, a fim de evitar perder tempo e fazer a viagem "render" o máximo possível!

Assim, acabei desenvolvendo um "passo-a-passo" também para isso, e para que fique mais didático, vou colocá-lo aqui na forma de algumas perguntas e respostas que resumem tudo:

O QUE PROVIDENCIAR ANTES E O QUE DEIXAR POR ÚLTIMO NO PLANEJAMENTO?
Depois de escolher um destino, há uma sequência lógica do que deve ser feito e é mais fácil segui-la do que ficar indo atrás de várias coisas distintas ao mesmo tempo:
1) leia o que puder sobre o destino para começar a se familiarizar com ele, se localizar no mapa, descobrir os pontos de interesse e o que tem de legal nas proximidades, pois isso pode requerer mais dias por ali. Assim, você já vai ter uma ideia do tempo que vai precisar (para mais detalhes, veja a última pergunta/resposta deste post!);
2) se é uma viagem com vários destinos, descubra como se transportar entre eles (recomendo clicar neste link!) e logo em seguida, providencie as passagens (considerando que você não está ainda a muitos meses da viagem - acessando o link indicado, você também vai entender porquê);
3) com as informações obtidas no primeiro item, você também terá uma boa noção para, agora, poder procurar e reservar com segurança a hospedagem que tenha o melhor custo-benefício;
4) este passo vale para lugares peculiares: se houver atrações muito disputadas, já adquira os ingressos pela internet (assim você ganha muito tempo evitando filas!); se houver restrições de entrada (visto, vacinas, etc.) e for necessário contratar um seguro-viagem, providencie-os; e se for um lugar para o qual você precisa levar coisas que não tem (ex.: roupas pesadas de frio), compre-as;
5) a essa altura, você já estará bem informado e poderá calcular uma média de gastos com precisão, podendo então adquirir a moeda local (ou comprar dólares para trocar quando chegar no destino, no caso dela não ser vendida no Brasil);
6) para otimizar ainda mais o tempo que você terá no destino, com toda essa parte "burocrática" resolvida, você pode finalmente esmiuçar as informações que levantou, colocando-as no papel e organizando a programação de cada dia da viagem, atentando para montar uma sequência que considere as distâncias e deslocamentos entre cada atração!

QUAIS FERRAMENTAS USAR PARA SE INFORMAR E FAZER TUDO O QUE FOI DITO NO ITEM ANTERIOR?
Resolvo praticamente tudo pela internet, que sem dúvida é o meio mais prático para montar um roteiro. Livros podem ajudar, é claro, mas dificilmente são completos, custam dinheiro e são mais uma coisa pra carregar...
Para pesquisar o que tem de legal num destino e nas proximidades dele, o site que mais uso é o Wikitravel, que é uma Wikipedia de viagens (inclusive tem o mesmo formato). Sempre na versão em inglês, que é a mais completa. Ela geralmente traz tudo o que é essencial sobre um destino, de maneira mais ou menos resumida: a história do local, como chegar/ir embora, como se transportar, localização, as principais atrações, o que comer, dicas de segurança, etc. A única desvantagem da Wikitravel é que há poucas fotos, então é recomendável ficar com o Google aberto em outra janela e ir procurando imagens dos lugares citados no texto, conforme você vai lendo. Depois, dependendo do destino, eu faço ou não pesquisas mais aprofundadas, usando blogs de viagens e sites como o Trip Advisor.
Para pesquisar deslocamentos e passagens, uso o método que expliquei no primeiro artigo desta seção (clique aqui!). Mas pra quem tem preguiça de utilizá-lo e/ou não está muito preocupado em economizar, recomendo o buscador Kayak, que considero ser melhor que os concorrentes.
Hospedagem: na maioria das vezes fico em hostels, então uso o Hostel World para buscar a melhor opção (há vários filtros que ajudam nisso). Depois que a encontro, tento pesquisá-la no Booking e fazer a reserva por lá, pois esse site geralmente não cobra taxas de reserva e de cancelamento (o Hostel World, sim). Porém, nem sempre funciona, porque há hostels que não são cadastrados no Booking e também porque, às vezes, há diferenças nos preços em favor do Hostel World. Se quero um hotel, também vou direto no Booking, que acredito ser o melhor buscador para isso. Outras opções que uso menos, mas que às vezes compensam mais, são o Airbnb (no qual você aluga um quarto num imóvel particular ou o próprio imóvel de alguém), e o Couch Surfing (rede social de viajantes que hospedam e são hospedados, tudo de graça).
Para comprar moeda estrangeira, ou vender, uma ótima ferramenta é o Melhor Câmbio (antigo Exchange Money), que te mostra quanto cada casa de câmbio está cobrando e ainda permite que você faça ofertas para tentar obter uma cotação melhor.
Por fim, para montar os itinerários pra cada dia da viagem, não tem segredo: use o Google Maps! Com ele, você descobre onde está exatamente cada atração que quer conhecer, e a partir disso fica fácil traçar uma rota entre elas que faça sentido. Aproveite também para, usando o aplicativo, baixar os mapas das cidades no seu celular, pois assim você poderá acessá-los "off line" de qualquer lugar (sem depender de internet), passando a ter um GPS enquanto passeia!

COMO CALCULAR QUANTOS DIAS FICAR NA CIDADE "X"?
Se em viagens, você também é bastante ativo e tem o costume de sair para a rua de manhã e só voltar à noite, esses cálculos vão te servir bem:
Cidades pequenas (ex.: Carmel, na Califórnia) ou com poucos pontos turísticos (ex.: Manila, nas Filipinas) demandam apenas 1 dia, ou às vezes nem isso - apenas uma manhã ou uma tarde podem ser suficientes (ex.: Pisa, na Itália).
Para cidades médias (ex.: Cracóvia, na Polônia) ou pequenas com diversas atrações (ex.: Praga, na República Tcheca), 2 dias bem preenchidos dão conta.
Em cidades grandes (ex.: Miami, na Flórida) ou médias que tenham um número considerável de coisas para ver e fazer (ex.: Budapeste, na Hungria), 3 dias está de bom tamanho.
Reserve 4 dias para as cidades muito grandes, pois além das distâncias serem maiores, elas geralmente proporcionam muitas opções dentro de seus limites e/ou em lugares próximos (exs.: Rio de Janeiro, Cidade do México, Bangkok, etc.).
Finalmente, uma categoria mais restrita é a das "metrópoles globais" (New York, Londres, Paris e mais algumas poucas cidades), que tanto pelo seu enorme tamanho quanto pela quantidade absurda de atrativos, requerem pelo menos 5 dias para que você possa conhecê-las bem. Ainda assim, sempre vai faltar alguma coisa, então se você tiver mais tempo que isso para esses lugares, é lucro!

Foto: http://www.wyattfamilyreunion.com/map-of-travels-with-pins/map-of-travels-with-pins-12-maps-update-800600-travel-world-map-with-pins/
Claro que seguir todas essas orientações dá trabalho, mas é algo perfeitamente factível por qualquer pessoa independente e que com certeza compensa muito, seja pelo tanto que a viagem vai render, quanto pelo dinheiro que você vai economizar! 😃

Até a próxima viagem! =)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dúvidas, sugestões, críticas, elogios...? Participe comentando aqui! =)